domingo, 6 de agosto de 2017

Ícones e Afrescos


Ícones e afrescos — representações artísticas do nosso Salvador, dos anjos, dos santos e de passagens bíblicas — são uma parte importante de uma igreja Ortodoxa. Os ícones servem para nos lembrar de Deus, de Seus feitos de bondade e do Reino dos Céus. Eles transmitem em linhas e cores o que as Sagradas Escrituras descrevem em palavras. Essas imagens santas criam uma atmosfera de oração na igreja. Sem eles, a igreja pareceria um salão de reuniões secular.

Quando rezamos diante de um ícone, devemos nos lembrar de que não estamos orando ao material do que ele é feito, mas ao Senhor, à Mãe de Deus e aos Santos, que nele estão representados. Tudo o que vemos ou ouvimos tem um efeito nos nossos pensamentos e no nosso estado de humor; este é o modo pelo qual funciona nossa natureza humana. Por esta razão, achamos muito mais fácil concentrar na oração tendo a imagem de Deus diante de nós, do que olhando simplesmente para uma parede nua, ou outra coisa não relacionada com a oração.

Aqueles que não são Ortodoxos, freqüentemente condenam o uso dos ícones, por um mal-entendimento do significado do Segundo Mandamento, no Antigo Testamento, o qual proíbe a veneração de falsos deuses. Sabemos, pela História da Bíblia, que, enquanto o Senhor proibia a idolatria, também ordenava a Moisés mandar esculpir um querubim de ouro para cobrir a Arca da Aliança, onde Ele prometera aparecer a Moisés. “Faz um querubim numa extremidade, e um outro querubim na outra ponta... Aí hei de vir ter contigo, e contigo comungarei, desde o trono da misericórdia, entre os dois querubins que ficam em cima da arca do testemunho” (Êxodo, 25:18-22; 26:1-37).

Do mesmo modo, no Templo de Salomão, imagens esculpidas e bordadas do querubim foram encontradas no local para onde o olhar dos sacerdotes se dirigia no momento da oração. (1 [3] Reis 6:27-29; 2 Cron. [2 Paral.] 3:7-14). O Templo de Jerusalém, restaurado, no qual nosso Senhor Jesus Cristo, Seus Apóstolos e os primeiros Cristãos oraram, também continham figuras semelhantes ao querubim.

Um dos ícones mais antigos é aquele com a imagem chamada de Salvador “Não feito por mãos humanas”. A Tradição nos conta que o nosso Senhor Jesus Cristo enviou um retalho de linho com uma imagem de Sua Face, miraculosamente impressa, a Abgar, Príncipe de Edessa, que sofria de lepra. Depois de ter rezado diante daquela imagem, Abgar foi curado de seu mal.

São Lucas, o Evangelista, era um artista; ele pintou um número de retratos da Santíssima Virgem Maria. Estes serviram como modelos para ícones subseqüentes, muitos dos quais operaram milagres.

As catacumbas, aqueles lugares santificados pelas orações dos antigos cristãos, preservaram a arte sagrada daquele tempo até o presente, Em comparação com a iconografia atual, essas imagens antigas tinham uma natureza mais simbólica; no entanto, o propósito é o mesmo: lembrar-nos de Deus. Dentre as imagens usadas na antiga Arte Cristã, devemos mencionar as seguintes: o cordeiro, simbolizando o Senhor Jesus Cristo em seu sofrimento sacrificial por nós; o leão — um símbolo do Seu poder; o peixe — a palavra grega, ichthys, é um acrônimo de “Jesus Cristo, filho de Deus, Salvador”; a âncora — um símbolo da esperança cristã; a pomba — símbolo do Espírito Santo; o galo e a fênix — aves símbolo da Ressurreição; o pavão — símbolo de imortalidade; a vinha e a cesta de pão — símbolos do Sacramento da Santa Eucaristia; e muitos outros. Também encontrado nas catacumbas encontram-se composições artísticas mais complexas, ilustrando eventos bíblicos e as parábolas das Escrituras: Noé na arca; a adoração dos Magos; a ressurreição de Lázaro; o Profeta Jonas na baleia; o Profeta Moisés recebendo as tábuas da lei; as palavras do semeador, das virgens sábias e das virgens néscias, etc. Com a passagem dos séculos, esses símbolos e composições cristãos iniciais desenvolveram-se em mais finas e variadas obras de arte.

Nos ícones, Deus está representado na imagem pela qual Se revelou ao homem. Por exemplo, a Santíssima Trindade é representada na figura de três viajantes angélicos sentados a uma mesa. Este é o modo pelo qual o Senhor apareceu ao reto Abraão. Em alguns ícones, cada uma das Pessoas da Santíssima Trindade recebe uma representação simbólica distinta. Jesus Cristo é pintado na forma humana, tal como Ele apareceu quando desceu à Terra e se fez homem — como um Infante nos braços da Virgem Maria, ou ensinando às multidões e fazendo milagres, ou transfigurado, ou sofrendo na Cruz, ou jazendo na sepultura, ou ressurgindo dos mortos, ou subindo aos céus. Deus Espírito Santo é representado na forma de uma pomba, tal como Ele se revelou no Batismo de Nosso Senhor no Jordão, ou na forma de línguas de fogo, tal como desceu visivelmente sobre os santos Apóstolos no qüinquagésimo dia depois da Ressurreição de Cristo.

Os ícones são diferentes das pinturas e fotografias comuns. As imagens nos ícones devem estar de acordo com a tradição iconográfica, que foi trabalhada durante séculos. Um ícone recém pintado deveria ser abençoado na igreja, aspergido com água benta. Depois disto, torna-se um objeto sagrado, através do qual a graça do Espírito Santo atua invisivelmente. Sabe-se bem que há muitos ícones milagrosos, que proporcionaram muitas curas.

Envolvendo a cabeça do Salvador e dos santos nos ícones, há um esplendor, um círculo de luz, chamado nímbus. O nímbus simboliza a graça de Deus que repousa naquele que ele envolve. O esplendor da luz de Deus normalmente é invisível ao olho físico, mas houve tempos em que, pela vontade de Deus, tornou-se visível ao homem. Assim, por exemplo, o Profeta Moisés tem que cobrir seu rosto com um véu para não cegar as pessoas com a luz que brilhava em sua face. No Monte Tabor, aos Apóstolos foi permitido verem a irradiação da Divindade de Cristo.

Durante uma conversa com Motovilov, o rosto de São Serafim de Sarov ficou como o sol. O próprio Motovilov escreveu que ele ficou impossibilitado de mirar o rosto do santo naquele momento. Tais relatos podem ser encontrados nas vidas de muitos santos também.

Nos ícones do Salvador, as palavras gregas “IC XC”, isto é, “Aquele que é”, geralmente são inscritas no nimbo, pois Ele, sendo Deus, é para sempre. Nos ícones da Mãe de Deus, inscreve-se as letras gregas “MP OY” . Elas são uma abreviação de Mitera tou Theou — Mãe de Deus.

sexta-feira, 7 de julho de 2017

A espiritualidade ortodoxa


Sobretudo, o que há de mais característico na piedade da Igreja Ortodoxa é o sentimento da irrupção vitoriosa da vida eterna, desde então, na carne: e isto é incompreensível, vai contra todas as possibilidades e contra todas as "leis da natureza"e é justamente lá que está a salvação. É realmente o sopro da mensagem primitiva que vive neste júbilo pascal da Igreja Ortodoxa...

Esta fé ardente e jubilosa, esta exultação pascal impregna toda a atitude religiosa da Igreja Ortodoxa, sua experiência, sua doutrina, sua oração. Harmonizam-se aqui um acento profundamente pessoal e coletivo (ao mesmo tempo) e ainda um acento cósmico: o que depende a salvação da criação. A vitória sobre a morte, já realizada em Cristo, concerne toda a criação, é o fato central e decisivo da história do mundo inteiro, motriz decisivo em suas diretrizes. Uma nova época começou desde o presente -ainda de uma maneira oculta - com a vitória de Cristo. Todas as forças do mal que ainda reinam no mundo, a morte, o sofrimento, a maldade, a princípio já estão despossuídas, abatidas, aniquiladas e arrasadas por tal vitória. Eis porque toda criação é convidada a participar do júbilo pascal...

O caráter cósmico da "Boa-Nova, a re-habilitação da criatura celebrada pela festa pascal e decorrente do fato da Encarnação da cruz e da Ressurreição do Salvador, não tem nada haver com um processo exterior ou "mágico"mas bem ao contrário, está unido de uma maneira indissolúvel à crucificação do "velho homem" à uma vida de tensão e de esforço moral, à ação regenerada e santificado do Espírito Santo. É o esforço incansável, o combate moral incessante que é preconizado pela Igreja. O inimigo principal é o nosso "eu" egocentrico, o nosso homem velho. Nao devemos nos compadecer dele, antes, pelo contrário, crucificá-lo, mortificá-lo em sua suficiëncia orgulhosa. Pois somos chamados a purificaçao nao somente de nossas açoes exteriores mais ainda mais de toda nossa vida espiritual, de suas próprias raízes, dos cantos mais ocultos do nosso ser moral... existe um acento de virilidade, de coragem e de sobriedade espiritual que penetra este ensinamento e esta experiëncia.

Todavia nao nos salvamos pelas nossas próprias forças - o que de perfeitamente excluído, pois fracos somos, e pouco resistentes, instáveis, impotentes, eis o dilema: somos chamados a sermos os guerreiros de Deus, somos chamados a virilidade, a coragem, a atividade, ao esforço e ao combate espiritual, e somos fracos impotentes, nao devemos nem mesmo ousar empreendermos este combate com as nossas próprias forças. Como sair deste dilema? ... a soluçao do dilema está na oraçao incessante, na incansável invocaçao de Jesus. Somos chamados a sermos ativos, mas só o somos pela Sua força, pois Ele é quem vem combater por nós e apoiar os nossos esforços. Logo, graça e atividade se aliam intimamente, indissoluvelmente nesta vida. Existem os dons do Espírito, a graça da perseverança no combate, a virilidade da alma, o heroísmo espiritual, o processo da santificaçao, da ascensao, que comeã desde entao e ao qual somos chamados desde entao. Mas tudo isto sao dons, emprestimos que veem do Espírito, os quais Ele pode retirar a cada momento. Nada é nosso. E de lá a humildade nas alturas da santidade.

Esta humildade nao é uma "virtude" que se adiciona, é a atitude inata da alma santa, que se vë na presença de DEus, que vë a sua pequenez e fragilidade próprias a ela, e a sua grandeza própria a Ele. Esta humildade é constantemente inculcada, com instancia, com força, por todo ensinamento moral e espiritual da Igreja do Oriente. É ela que resplandece com tanto esplendor, junto a doçura, a simplicidade, a benevolencia e ao espírito de medida e de equilíbrio, no rosto dos Padres do deserto e na personalidade dos grandes Santos e Justos da Igreja Ortodoxa.

por Nicolas Arseniev

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Afinal, Bob Marley foi ortodoxo ou não?


O fato da conversão do grande astro e pai do reggae, Robert Nesta Marley ao Cristianismo e a repercussão que um post tomou aqui no Brasil levou-me a dedicar um tempinho as seguintes linhas.
Bob Marley se converte ao Cristianismo em 1980, sendo batizado e aceite como membro da Igreja Ortodoxa Etíope de Tewahedo. Esta igreja faz parte do grupo das Igrejas Ortodoxas Orientais, incluindo ainda a Igreja Ortodoxa Copta de Alexandria, a Igreja Ortodoxa da Armênia, a Igreja Ortodoxa Siríaca, a Igreja Ortodoxa Malankara da Índia e a Igreja Ortodoxa Eritreana de Tewahedo. Estas igrejas são não-calcedonianas. O que quer dizer isto? Quer dizer que se separaram do pleroma da Igreja Cristã (ainda indivisa, no sentido do cisma de 1054) na altura do IV Concílio Ecumênico na Calcedônia, onde a heresia do Monofisismo foi condenada.
Templo etíope
Questões de ordem terminológica em função do dogma da natureza de Cristo implicaram em conflitos e por conseguinte no primeiro cisma no interior do Cristianismo. Vale também salientar a rixa das escolas teológicas de Antioquia e Alexandria e a tensa atmosfera gerada por opiniões divergentes.
clérigos etíopes
Quanto ao astro do reggae, sabe-se que sua mãe (jamaicana) lia frequentemente a Bíblia em casa e frequentava os serviços na igreja cristã com os avós. Seu pai era um ingles muito mais velho que a conheceu num de suas passagens pela Jamaica.
Bob Marley não se aproxima desta piedade vivida no seio de sua família em sua adolescência e vem abraçar o Rastafarismo enquanto adulto. Ele se casa com Alpharita Anderson (famosa Rita Marley) que também se converte aos Rastafari após a visita do Imperador etíope Haile Selassie I a Jamaica. Os rastafari adoravam Selassie como o Messias e Salvador. Bob Marley se dedica por inteiro a esta crença que misturava o uso da cannabis com filosofias do gênero, expondo suas crenças em muitas de suas músicas e principalmente em seu estilo de vida. Vale lembrar que as cores que remetem ao reggae são justamente aquelas da bandeira da Etiópia e não da Jamaica. A bandeira Rastafári leva as cores daquela da Etiópia mas estampa o leão de Judá, fazendo referência a figura de Haile Selassie, o Rei dos Reis, da descendência de David , fruto da relação da rainha de Sabá com o Rei Salomão.
Bandeira da Etiópia

Bandeira Rastafári

Bandeira da Jamaica
O Rastafarianismo, ou religião Rastafári, ou ainda movimento rastafári, foi um fenômeno da segunda metade do século XX que misturou elementos religiosos, políticos e musicais em torno da figura de Haile Selassié I (1892-1975) — imperador da Etiópia entre os anos de 1930 a 1974. Selassié considerava-se herdeiro direto do rei bíblico Salomão e da rainha Sabá, dos quais, segundo a tradição etíope, haveria se formado a dinastia salomônica que reinou naquela região durante a Idade Média. Seus seguidores consideram-no o próprio Jah, corruptela da palavra Javeh, isto é, o próprio Deus.

O imperador etíope ficou conhecido mundialmente em 1936, quando discursou para os representantes da então Liga das Nações a respeito do avanço dos conflitos e das teorias racistas que culminariam na Segunda Guerra Mundial. Sua postura contra a violência fez com que ele recebesse a denominação de Ras Tafari, que significa “Príncipe da Paz”. 

Bob Marley canta ao lado da figura de Haile Selassie e o leão de Judá


Os negros jamaicanos do início do século XX, descendentes de escravos africanos que foram levados para a Jamaica pelos ingleses, viam na figura de Salassié – o único rei soberano do continente africano – um caráter messiânico, ou seja, entendiam que sua realeza entre as nações africanas era a manifestação da divindade em sua pessoa. Essa crença em Selassié como sendo o Jah difundiu-se entre a população pobre jamaicana e tomou contornos bastante idiossincráticos nesse país.

Outras características do rastafarianismo são os hábitos alimentares, basicamente fundamentados no consumo de vegetais, leguminosas, frutas, etc., bem como o uso da marijuana (maconha) como elemento integrante do ritual rastafári. A fundamentação para esses hábitos, segundo os seguidores do rastafarianismo, está toda na Bíblia, em livros do Antigo Testamento.

Tal adoração a Selassie é um pouco irônica visto ser ele próprio cristao. O Imperador etíope pede até ao Arcebispo da Igreja Etíope de Tewahedo que se dirigisse a Jamaica para dar início a uma igreja que adorasse Cristo e não sua figura, com a esperança de que os jamaicanos passasem a conhecer Cristo. Tal Arcebispo – Yesehag – tornou-se a referência da missão da Igreja Ortodoxa Etíope em Kingston (capital da Jamaica). 
O próprio Arcebispo conta que Bob frequentava a igreja e ao expresser seu desejo em fazer-se batizar tenha sido alertado por pessoas influentes em sua vida professional ser um ato sem medidas, visto apresentar aspectos diferentes as crenças do Rastafarismo. Ele esperava o bom momento…


Muitos dizem que Bob ficou muito tempo fora da igreja, enquanto Rita com as crianças se convertem em 1972. Bob se encontrava sob os conselhos espirituais do Arcebispo mas somente é batizado pouco antes de sua morte, recebendo finalmente o sacramento na Igreja Ortodoxa Etíope em New York, sob o nome de Berhane Selassie – cujo significado exprime "luz da Trindade”.
Confira no You-tube o registro de seu funeral: https://youtu.be/8uhK4YVv_aw?list=RD8uhK4YVv_aw
por Monja Rebeca

sábado, 24 de junho de 2017

A loucura de nossos tempos - parte 02


Nos dias de hoje as noticias nao estao emitindo mensagem alguma para nos, nao estao nos fazendo pensar sobre algo importante na vida que venha a refletir no coracao, em nossa existencia, em nossa verdadeira felicidade. Antes, nossa mente esta constantemente ocupada com pensamentos sobre dinheiro, seguranca social, com a  bolsa de valores.

Alguns dentre aqueles que me ouvem protestarao: "Nao estas fazendo o mesmo? Nao queres o aumento do salario? Nao trabalhas por dinheiro tambem? Es contra o dinheiro? Sem dinheiro nao se pode fazer nada!"

Sim, meus amados, mas o dinheiro nao eh o que esta faltando para se encontrar a felicidade. Olhem! Oro para que encontrem o trablho que desejem, e recebam o dinheiro necessario, que o salario nao seja tirado, mas saibam que isto nao constitui a felicidade em si mesma. Estamos errados se equacionamos e conectamos a felicidade com coisas deste genero.

Voce se levanta de manha e liga as noticias da manha, os comentarios matinais. Desde o comecinho do dia sua mente eh bombardeada com mensagens: politica, mercado, economia, repotagens policiais sobre como as pessoas sobreviveram, quantas foram mortas, onde estao em guerra, quem vai ficar com qual partido, quem vai ficar com o outro, quem vai governar, como vao os eletronicos - realmente pensa que tudo isto vai te fazer feliz? Em verdade, se pensares com calma, vai ver que isto nao tange tua propria vida, teus filhos, Deus. O que isto te proporciona? Mas ao mesmo tempo, voce nao encontra um tempinho para as oracoes da manha, para um livro interessante e construtivo ou uma passagem do Novo Testamento...

Se refletires o suficiente, vais entender que tudo isto eh uma fuga, um alibi ou algo do genero, que usamos para esquecermos nos proprios e nao pensarmos no sentido verdadeiro de nossas vidas. Como somos ajudados por todos os tempos esta nos sendo oferecido hoje? Sera que isto nos fala sobre grandes questoes existenciais: sobre a felicidade, a felicidade interna, sentido da vida, solidao, depressao, medo da nao-existencia?

Tantos pontos de interrogacao sao deixados no mundo, na alma de pessoas jovens - Sera que seus olhos nao nos fazem ponderar? Sentem eles fome pelo sentido da vida? Nao, seus olhos estao ocos, nao ha um pingo de alegria neles, da graca do Espirito Santo recebida no Batismo, mas que consequentemente foi queimada por alguma coisa. Sao olhares cansados. Sera que isto nao nos faz ponderar? Faz-nos dar um sentido a tudo, a dizer as criancas tudo sobre isto, sobre o que se encontra escondido por detras de tudo? Por que estao vivos, para onde vao, como conquistarao o vazio, o tedio e o reino da televisao no interior deles proprios

Voces, gentes e politicos, respondei aos adolescentes, por que estao tao tristes quando voltam pra casa de uma festa? Voces que falam sobre salario, sobre seguro, que expressam sua opiniao sobre tudo, cheguem junto de seus filhos, que tem dinheiro em seus bolsos e o terao ainda, mas que apesar disto, ao retornar da festa ou de outra celebracao qualquer, sente um vazio em sua alma e pergunte: "Por que estou triste? Por que estou deprimido? Por que nada me traz satisfacao? Por que estou fazendo tudo, mas nao consigo sentir alegria? Por que esta faltando alguma coisa e eu nao consigo saber o que eh? Por que sinto constantemente tedio e certa nostalgia?"

Quando todas estas questoes terao uma resposta? E enquanto isso voce esta prometendo salvar o mundo, vai tomar horas diante da TV para desenvolver suas ideias; aquilo que voce fala eh muito importante.

Entao, o que deve ser feito? Precisamos refletir e olhar para nos mesmos, como num espelho; para dentro de Cristo e nao para o interior da mentalidade deste mundo, e so assim vamos ver que tudo esta em ordem.  Mas existe um conjunto de criterios no mundo que vao lhe dizer que voce esta indo bem, enquanto existe um outro diferente na vida em Cristo. De acordo com o mundo, eu sou um insano - talvez voce tambem, a partir do momento que dizemos a mesma coisa...Hoje a epoca esta dizendo uma coisa, e nos outra. Sera que isso eh loucura? OK. Mas esta loucura esta nos deixando viver e interpretar a vida corretamente, estamos de pe e sofrendo de pobreza, uma perda de prazeres mundanos, e podemos vencer a morte.

E o que fazemos com a morte? "Bem, havera aposentadoria!" Tudo certo, voce vai ter aposentadoria, mas o que vai acontecer depois da aposentadoria? Quem vai te falar de pos-aposentadoria? Quem vai te falar sobre a morte, que vira com certeza? Ou, entao, talvez nao acreditamos nisso, e nao aceitamos a morte? Este problema eh concluido pelo nossa admissao de que nao temos fe, somos ateistas e vivemos sem Cristo em nossas vidas. E neste caso eh normal para as pessoas fazerem o que fazem: panico, ser unilateral, aceitar somente solucoes politicas e economicas aos problemas. Tudo isto eh natural nesta atmosfera nao natural em que Cristo esta ausente.

Por exemplo, na TV eles falam: "Cuidemos dos jovens, queremos que eles se divirtam, que sejam felizes!" Boas palavras, nao? Entao os jovens devem se divertir, serem felizes, obterem algo - mas me explique o significado destas palavras. O que quer dizer "entao os jovens devem ser felizes"? "Qualidade de vida". O que significa qualidade de vida?

Ouvi recentemente que a cidade organizou um centro para jovens. Voce cai ao teatro e ve pequenas paixoes, vicios, enganos. Isso eh qualidade? Entao os jovens devem se juntar e organizar um jogo - mas que qualidade de vida esta realidade esta oferecendo a eles?

Tudo esta caminhando para esta direcao. E nos, homens de fe em Cristo, devemos ao menos estar cientes de nossa condicao, converter nossa raiva em oracao e auto-critica. Nao repreendamosa os outros, mas nos proprios, dizendo: "Somos culpados, porque se fossemos verdadeiros cristaos, se tivessemos paz e boas obras em nossas vidas e influenciado o mundo como poderiamos, entao a atmosfera na sociedade e em nossas vidas pessoais seria muito melhor".

pelo Arquimandrita Andre Konanos

quarta-feira, 21 de junho de 2017

A loucura dos nossos tempos - parte 01


Ao assistirmos as noticias, escutar o radio, etc... vemos que nossa vida esta se tornando cada vez mais dificil. "Existe um tipo de inferno em torno de nos", muitas pessoas dizem. Ao vermos as noticias ficamos simplesmente mal. Ouvimos os acontecimentos proximos a nos mesmos e nos espantamos a tal ponto de nos perguntarmos: "Para onde estamos indo? Por que levamos este tipo de vida? Sera que nao poderia ser diferente? Nao poderia ser como o Paraiso?"

Poderia ser como o paraiso. Deus nos criou para a alegria, e nao para o sofrimento. Deus nos trouxe a este mundo nao para fazer de nossa vida um inferno latente, mas antes para que possamos levar uma vida calma, quieta, alegre e criativa. Assim podemos viver ativa, mas ao mesmo tempo, humildemente e de forma pacifica. Podemos ter nossas obrigacoes diarias, boas ocupacoes, familia, amigos, parentes, algo de significativo, modesto, amavel... Quem nao sonha com isso? Nossa vida, todavia, eh completamente o contrario: extremamente tensa, dura, completamente exaustiva, ver podre. Quer dizr, nos conduz a doenca, a acoes prematuras e isto nao sabemos como vai terminar.

Sabemos atraves do Evangelho e da Revelacao que desde que Cristo nos acompanha, o mundo vai de mal a pior. Isto esta muito obvio para nos. Mas apesar disto buscamos outra explicacao de eventos - cientifica, politica, geo-politica, sobrenatural. Sim, mesmo ate sobrenatural, oculta, nem mesmo aceitamos as divinas explicacoes, ensinadas pela Igreja e por Cristo.

Metade da Grecia esta queimando em fogo, mas quem toma isto como um chamado ao arrependimento? Somente poucos cristaos. O outro ato num modo mundano, quer dizer, com certeza, sem males levando em consideracao que realmente deve-se dar uma nova casa ao homem que perdeu sua casa pelo fogo, e dar comida aquele que tem fome. Isto eh verdade, mas saiba o que Sao Cosme de Aitolia dizia? "Ao dares comida para uma crianca, coloque um icone de Cristo em frente dela, para aprender a conectar a comida com Deus, e diga-lhe: "Meu pequenino, esta comida que estas a comer nao eh minha. Meu Deus foi quem me deu! Deus me deu saude, e eu trabalho, Deus nos deu comida e nos comemos. Sua mae prepara uma refeicao para voce, mas Deus nos deu a chuva, e a terra as sementes"...

Tudo no mundo esta conectado. Tudo esta cristianizado na graca de Deus, e a tudo podemos dar uma interpretacao cujo centro eh Cristo, la quando Cristo se encontra no centro e quando tudo eh conduzido por Cristo. Quando desperdicamos e nao compreendemos a mensagem enviada por Cristo em nossas vidas,  e nos tornamos furiosos, e ate menos responsaveis, revoltados contra Deus... o que acontece entao?

Nossa vida pode ser extremamente bela. As promessas de Deus sao claras. No Antigo Testamento, Ele diz: "Se Me ouvires, desfrutaras de tesouros terrestres e de tudo em vossas vidas sera abencoado! Vossas vidas serao como o paraiso, um verdadeiro prazer, verdadeira docura! Se nao deres ouvido as Minhas palavras, a espada vos espera, matarao uns aos outros, engolirao uns aos outros" (cf. Lv. 26).
Se o Senhor nao estiver presente em nossas vidas enquanto fator principal, se Ele nao entrar em nossa mente e controlar nossos atos, pensamentos, decisoes, se nao deixarmos que Ele governe o leme indomavel de nosso "eu", que livra nosso egoismo, se o Senhor nao entrar enquanto governador em meu lar, pais, parlamento - se isto nao acontecer, sera impossivel manter o equilibrio.

A vida humana sem Cristo eh governada por instintos, a logica do absurdo, um faminto por proveitos, a lei da selva, em que o mais forte quer destruir e desmembrar o mais fraco...Se nao houver Deus para ti, quem podera dar sentido a tua vida e dizer o que eh bom e o que eh mal, tudo se torna relativo. "Tudo eh diferente para pessoas diferentes, para ti isto eh mal, para mim eh bom!", como dizem algumas pessoas.

Sem Cristo nao existe criterio comum, chao comum, nao ha ideal com um objetivo concreto diante de nos o qual queremos alcancar, nao existe pessoa que queiramos personificar. O que eh esta pessoa, este ideal que a epoca contemporanea deseja criar? O ideal do homem contemporaneo eh o seguinte: um extrovertido, super ativo, mas ao mesmo tempo uma pessoa profundamente depressiva, que nao ve um sentido nem um objetivo, nao tem futuro, nao sabe nem para onde vai, nem de onde vem e como vai viver.

Tudo isto eh estranho a Igreja. Na Igreja existem diferentes ideiais, um prisma diferente da vida, uma experiencia diferente. Nem todos os cristaos a experimentam, poucos apenas, mas o objetivo eh que o fermento venha a afetar o resto do mundo, trazendo entendimento da absurdidade da vida sem Cristo.
O mundo se encontra constantemente em estados de falta de esperanca, e buscando solucionar tais estados, cria novos. Assim, nunca vamos adquirir paz. Com isso, quando o fogo arrebenta, a catastrofe acontece, um tremor de terra, eh bom cuidar do externo, usar a ciencia e a tecnologia, mas tambem buscar um significado mais profundo nos acontecimentos.

pelo Arquimandrita Andre Konanos

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Jejum & Abstinência

São João de Kronstadt
Aprendestes a ver Deus, a representá-Lo para ti mesmo como sabedoria onipresente, como Palavra viva e ativa (= Verbo, Logos), como Espírito Santo vivificante? A Santa Escritura é o domínio da Sabedoria, da Palavra e do Espírito de Deus-Trindade; nela, Ele revela-Se claramente: "As palavras que Eu vos disgo são espírito e vida" (Jo. 6, 63), diz o Senhor. Os escritos dos Santos Padres também são uma expressão da Sabedoria, da Palavra e do Espírito da Santa Trindade, na qual o espírito de uma elite (espiritual) da humanidade colaborou amplamente. As obras do homem comum deste mundo são expressão do espírito humano decaído, com todas as suas concupiscências, tendências e paixões. Nas Santas Escrituras, nós vemos Deus face a Face e a nós mesmos tais como somos! Homem: conhece-te a ti mesmo, e anda sempre na presença de Deus.
O homem, em suas palavras, não morre; nelas (nas Palavras de vida), ele é imortal, posto que falarão ainda depois de sua morte. Quantas palavras imortais se dizem ainda no meio de nós, que nos foram legadas por aqueles que morreram há muito tempo e que, às vezes, permanecem vivas nos lábios de todo um povo! Como é poderosa a palavra, mesmo a palavra de um homem comum! Mais ainda, então, a Palavra de Deus. Ela viverá através dos tempos e permanecerá sempre viva e efetiva.
Para que servem o jejum e a penitência? Por que razão realizar este esforço? Eles servem para a purificação da alma, a paz do coração, a união com Deus; eles nos preenchem de devoção e de espírito filial e nos dão segurança diante de Deus. Certamente, já existe aqui um bom motivo para nos levar a fazer jejum. Uma recompensa inestimável espera o esforço consciencioso. Porém, será que ainda existem muitos no meio de nós que amam a Deus com um amor verdadeiramente filial? Existiriam ainda muitos que orariam com todo abandono, com segurança, invocando o Nome do nosso Pai do Céu dizendo: "Pai Nosso!"? Será que, ao contrário, esse chamado filial não cessou de ecoar nos nossos corações decaídos pelas vaidades deste mundo e seus prazeres? Nosso Pai dos Céus não estará longe de nossos corações? Não seria visto por nós mais como um Deus irritado, já que O abandonamos partindo a um país longínquo? Sim, pelos nossas faltas, todos merecemos Sua justa cólera e o castigo, e é maravilhoso como Ele mostra-Se paciente e indulgente a nosso respeito. Ele que não quer abater-nos como figueiras estéreis.
Apressemos-nos em apaziguá-Lo com sentimento de arrependimento. Voltemos-nos para dentro de nós mesmos; examinemos o nosso coração com honestidade e, vendo a imensidão de pecados que o torna inacessível à Graça Divina, veremos que estamos espiritualmente mortos.
Vem, Senhor, torna-me vivo pelas Tuas Palavras de Vida e purifica-me pela ascese da submissão de minha vontade à Tua santa vontade. Que este período de Jejum que se inicia me ajude a colocar um novo início em minha vida espiritual, fazendo-me conhecer mais a mim mesmo. Amém!
 por São João de Kronstadt (+ 1908)